Skip to content

Recent Articles

28
jun

Novas regras do seguro-desemprego

seguro-desemprego_mudança2As novas regras para a solicitação de seguro-desemprego mudaram e ainda tem muita gente com dúvidas. Entre todas as mudanças, as mais significativas são as de prazos de carência para a obtenção do benefício e a de quantidade de parcelas que o trabalhador terá direito. As regras foram anunciadas no final de 2014 e entraram em vigor a partir de 02 de março deste ano.

Para Wagner Luiz, especialista em Direito do Trabalho do Bonilha Advogados, as novas regras diminuirão a rotatividade dentro das empresas, o que automaticamente gerará aumento na qualificação profissional, na produtividade e nos resultados das organizações. “Por outro lado, prejudica os trabalhadores que terão um período maior de carência para a obtenção do benefício”, ressalta o especialista.

De acordo com as novas regras, o trabalhador só poderá solicitar o benefício pela primeira vez se tiver trabalhado por no mínimo 18 meses. Já na segunda solicitação, ele terá um tempo mínimo de carência de 12 meses de vínculo empregatício.

Wagner Luiz acrescenta que da terceira solicitação em diante continuam valendo as regras anteriores, ou seja, prova de trabalho por período de 6 meses nos últimos 16 meses.

Número de Parcelas

O trabalhador que solicitar o benefício pela primeira vez terá direito até quatro parcelas, desde que tenha trabalhado entre 18 e 23 meses nos 36 meses anteriores. A partir de 24 meses trabalhados nos últimos 36 meses o beneficiário receberá cinco parcelas do seguro-desemprego.

Na segunda solicitação receberá quatro parcelas, desde que tenha trabalhado entre 12 e 24 meses nos 36 meses anteriores e a partir da terceira solicitação do benefício, continua valendo a regra anterior. Ou seja, o recebimento de até três parcelas para quem trabalhou entre seis e 11 meses nos 36 meses anteriores.

Fonte: http://www.catho.com.br/carreira-sucesso/noticias/novas-regras-do-seguro-desemprego?sc_source=b2c:newsletter&sc_medium=2015-03-06ces&sc_campaign=ces&sc_content=carreira_sucesso_materia1&utm_source=b2c:newsletter&utm_medium=2015-03-06ces&utm_campaign=510&utm_content=carreira_sucesso_materia1&ggo=1

28
jun

O que não colocar no currículo

curriculo

Há materiais diversos pela internet ou em revistas e jornais que explicam e/ou oferecem dicas simples que auxiliam as pessoas a produzirem bons currículos. Ótimo, mas com a evolução do processo seletivo a maneira de criar um currículo também mudou. Você sabe o que não deve mais ser inserido em seu currículo?

Alguns candidatos colocam fotos anexas, outros incluem um campo com carta de apresentação. Mas estas informações, por exemplo, não são necessárias no currículo, a não ser que seja solicitado. Conheça outros itens que você não deve colocar no seu currículo, com dicas da Psicóloga e Consultora de Carreira da Catho, Elen Souza.

“Curriculum Vitae”

Muitas pessoas ainda usam o termo ultrapassado no início do currículo. Não precisa colocar nenhum título no CV, afinal, a primeira coisa que deve ser vista é o nome do profissional, seguido de seus dados pessoais, experiências e conhecimentos.

Número de Documentos

Não é necessário. Hoje as empresas, em sua maioria, só necessitam destes dados no momento da contratação. Além disso, é importante tomar cuidado com essas informações. Lembre-se que o currículo é um documento que qualquer pessoa pode ter acesso.

Pretensão Salarial

É importante demonstrarmos certa flexibilidade. Em alguns casos, um emprego com salário um pouco mais baixo, porém com muitos benefícios, pode ser o desejo de muitos profissionais. Somente cite a pretensão salarial se no anúncio da vaga solicitar. Caso contrário, deixe esta informação de fora.

Referências profissionais

Estas informações devem ser entregues em folha a parte, caso solicitado no momento da entrevista. Não devem constar no currículo. Leia atentamente a descrição da vaga e caso as referências seja uma das informações necessárias leve separado.

Assinatura

Existem alguns documentos que pedem assinatura no final, como uma carta, por exemplo. Entretanto, o currículo é outro tipo de documento e a assinatura é algo totalmente dispensável.

Fonte: http://www.catho.com.br/carreira-sucesso/dicas-emprego/o-que-nao-colocar-no-curriculo?sc_source=b2c:newsletter&sc_medium=2015-05-15ces&sc_campaign=ces&sc_content=carreira_sucesso_materia1&utm_source=b2c:newsletter&utm_medium=2015-05-15ces&utm_campaign=515&utm_content=carreira_sucesso_materia1

28
jun

Acidente sofrido no horário de almoço é acidente de trabalho?

acidente-de-trabalho_peqDúvida de muitos trabalhadores, entenda por que um acidente sofrido pelo empregado em horário destinado à refeição ou descanso é, sim, um acidente de trabalho.

Quais situações caracterizam acidente de trabalho? Quais responsabilidades têm a empresa nestes casos? Como o empregado deve proceder se sofrer um acidente? Triste realidade do mercado de trabalho, 313 milhões de empregados sofrem acidentes de trabalho no mundo, segundo estimativas da Organização Internacional do Trabalho (OIT). Só no Brasil, ocorrem mais de 700 mil acidentes e 2,7 mil mortes por ano.

Acidente de trabalho é aquele que ocorre no exercício de qualquer atividade a serviço da empresa e que pode provocar lesão corporal ou perturbação funcional, perda ou redução permanente ou temporária da capacidade para o trabalho e até morte, conforme disposto no artigo 19 da Lei nº 8.213/91.

Já o artigo 21 desta mesma Lei, em seu § 1º determina que nos períodos destinados a refeição ou descanso, ou por ocasião da satisfação de outras necessidades fisiológicas, no local do trabalho ou durante o expediente, o empregado é considerado no exercício do trabalho.

Ou seja, sendo o horário de almoço considerado parte da jornada de trabalho do empregado, o acidente ocorrido neste intervalo é considerado acidente de trabalho e deve garantir ao trabalhador seus direitos em relação ao dano sofrido.

Sofri um acidente, o que devo fazer?

O empregado que sofrer um acidente durante o expediente estando ou não no ambiente de trabalho deve, primeiramente, procurar um médico e avisar a empresa do ocorrido. Se a vítima não tiver condições de fazê-lo, o comunicado à empresa pode ser feito por outra pessoa.

Assim que avisada sobre qualquer acidente de trabalho envolvendo seus empregados, a empresa deve comunicar o INSS, transmitindo a Guia de Comunicação de Acidente do Trabalho – CAT, havendo ou não afastamento do trabalho, até o primeiro dia útil seguinte ao da ocorrência e, em caso de morte, de imediato à autoridade competente.

Fonte: http://www.catho.com.br/carreira-sucesso/gestao-rh/acidente-sofrido-no-horario-de-almoco-e-acidente-de-trabalho?sc_source=b2c:newsletter&sc_medium=2015-05-15ces&sc_campaign=ces&sc_content=carreira_sucesso_leia_mais2&utm_source=b2c:newsletter&utm_medium=2015-05-15ces&utm_campaign=515&utm_content=carreira_sucesso_leia_mais2

 

28
jun

5 dicas para superar o desemprego

5-dicas-para-superar-300x284Apesar de não ser agradável, estar desempregado não é o fim do mundo. A situação, que pode acontecer com todos os profissionais em algum momento de sua carreira, pode causar problemas financeiros e psicológicos, mas, também, abre caminhos para uma volta por cima.

“O desemprego é uma situação que tem várias causas, mas que só pode ser superado se a pessoa que passa por isso tiver foco”, explica a psicóloga comportamental Maria Aparecida das Neves. Não se vitimizar é importante, não pense em causas, ou possíveis erros, o momento agora é pensar no que há pela frente, quais as maneiras de se reerguer e qual o passo a passo.

Conheça cinco dicas que podem te ajudar a superar o desemprego:

Atualize o seu currículo: O seu currículo será o seu maior companheiro nesta fase. Atualize sua versão física e online. Preste atenção na linguagem utilizada e nos recursos ortográficos. Revise-o uma, duas, três vezes.

Faça contatos: Amigos, parentes e colegas de outros trabalhos, faça com que as pessoas saibam que você está em busca de uma nova oportunidade profissional. Contatos são fundamentais para um profissional, por isso, é importante mantê-los sempre por perto.

Entenda o mercado: Qual posição você deseja? Você está qualificado o suficiente? Há muitas vagas em sua área de atuação? Qual o salário médio que você ganharia? Entender os aspectos gerais de sua área de atuação pode ser decisivo na hora de conquistar uma nova posição.

Atualize-se: Aproveite o seu tempo livre para ganhar conhecimento. Diversas instituições oferecem uma série de cursos de requalificação profissional grátis em diversas plataformas e com temas variados. Com uma rápida procura na internet é possível encontrar diversas opções. Aproveite!

Tenha Foco: Não deixe o desespero tirar o seu foco. Busque, mas tenha um plano previamente organizado. Defina qual a colocação desejada e trace os seus objetivos profissionais. Faça uma tabela de acompanhamento e saiba para onde, quando e o porquê você mandou o seu currículo para toda e qualquer vaga prospectada.

Fonte: http://www.catho.com.br/carreira-sucesso/dicas-emprego/5-dicas-para-superar-o-desemprego?sc_source=b2c:newsletter&sc_medium=2015-06-11ces&sc_campaign=ces&sc_content=carreira_sucesso_materia1&utm_source=b2c:newsletter&utm_medium=2015-06-11ces&utm_campaign=517&utm_content=carreira_sucesso_materia1

28
jun

Novas regras para a aposentadoria – 2015

carteiraMedida Provisória 676/2015, aprovada pelo Governo no último dia 18, estipula novo cálculo para concessão da aposentadoria por tempo de serviço. A partir de agora, para conseguir o benefício, o trabalhador dependerá do resultado da soma de sua idade com o tempo de contribuição.

Também chamada de regra 85/95, a nova metodologia previdenciária irá calcular o tempo correto para a concessão da aposentadoria, levando em consideração as mudanças na expectativa de vida da população e o tempo de contribuição do segurado. Pela nova metodologia, os homens poderão se aposentar se o resultado der 95 pontos, e as mulheres, 85 pontos.

Alcançados os pontos necessários, o trabalhador poderá receber o benefício integral, sem aplicar o fator previdenciário. Entretanto, o trabalhador que preencher os requisitos para a concessão da aposentadoria por tempo de contribuição (35 anos para homens e 30 para mulheres) poderá se aposentar pelas regras até então vigentes, ou seja, com a aplicação do fator previdenciário.

A partir de 2017, para afastar o uso do fator previdenciário, as somas da idade e do tempo de contribuição serão acrescidas em um ponto, conforme a tabela abaixo:

A partir de 1º de janeiro de 2017 – Mulheres 86 pontos | homens 96 pontos
A partir de 1º de janeiro de 2019 – Mulheres 87 pontos | homens 97 pontos
A partir de 1º de janeiro de 2020 – Mulheres 88 pontos | homens 98 pontos
A partir de 1º de janeiro de 2021 – Mulheres 89 pontos | homens 99 pontos
A partir de 1º de janeiro de 2022 – Mulheres 90 pontos | homens 100 pontos

A MP determinou a progressão no acúmulo de pontos até 2022.

Fonte: http://www.catho.com.br/carreira-sucesso/noticias/novas-regras-para-a-aposentadoria-2015